Rumo à Boêmia do Sul: Ceske Budejovice

Praça Otakar II. Ceske Budejovice.

Não me recordo como incluí Ceske Budejovice na jornada, mas ao chegar lá entendi que a escolha foi acertada. A ideia era conhecer um pouco mais da República Tcheca além de Praga, mas não sabia ao certo para qual direção ir. Norte – para visitar os parques nacionais Krkonošský e České Švýcarsko – ou Sul – e ver a pequena cidade que me encantara numa pesquisa antes mesmo de sair do Brasil, Cesky Krumlov.

Optei pelo segundo trajeto. No entanto, antes de desembarcar na cidade que desejava conhecer, me vi na rodoviária de Praga comprando uma passagem para a antiga capital da Boêmia do Sul, a simpática Ceske Budejovice.

Introdução

O trajeto de ônibus até Ceske Budejovice foi tranquilo. Os ônibus possuem boa estrutura e possuem também serviço de bordo. Fiquei hospedada bem próxima ao centro da cidade, mas também não seria problema se estivesse na parte mais nova e um pouco mais distante. A cidade não é muito grande e, mesmo se fosse preciso, o transporte público pareceu funcionar muito bem.

Por mais que Budejovice seja o centro econômico da região, encontrei uma tranquilidade típica de interior. Talvez tenha sido isso e diversas histórias pitorescas que tenham me encantado tanto.

Praça Central Otakar II

Com cerca de 10 mil metros quadrados, uma das maiores praças europeias é cercada por casas barrocas e histórias de arrepiar. No centro da Praça Otakar II, encontra-se a Fonte de Sansão (Samsonova kašna), construída entre 1721-1727. Sugiro sentar em um dos bancos ao redor da fonte e olhar os detalhes das esculturas que a formam e os movimentos das águas. Ótima maneira de relaxar, mesmo se não estiver cansado.

Devido ao valor histórico, as estátuas foram substituídas por réplicas, mas as originais encontram-se na prefeitura.

Praça Otakar II e a Fonte de Sansão.

Ao redor da praça, casas barrocas completam o cenário. As construções mais famosas são o Palácio da Abelha e o prédio da Prefeitura.

Palácio Vcela (abelha) – Ceske Budejovice

Palácio da Abelha: O prédio amarelo da Praça Otakar II é a construção mais chamativa da Praça Otakar II. Construído em 1895, o Palácio Abelha (Palác Včela) recebeu esse nome por causa da empresa que o construiu, Spar- und Vorschuss-Verein Biene (Associação Abelha – Investimentos e Empréstimos).

Prefeitura: A Prefeitura de Ceske Budejovice (Radnice) foi construída entre 1555 e 1558, mas sua fachada foi reformada em estilo barroco em 1730. No topo, as esculturas das quatros virtudes, esculpidas por Josef Dietrich, protegem o Prefeitura: Sabedoria, Coragem, Prudência e Justiça.

Lenda: Na praça, há uma pedra irregular marcada por um sinal. Diz a lenda que a pessoa que estiver inconsciente em cima dessa pedra às 22 horas jamais conseguirá encontrar o caminho de volta para casa.

Torre Negra

Ao lado da Praça Otakar II, encontra-se a Torre Negra (Černá věž) com seus 70 metros de altura e 225 degraus. Uma vez no alto, você poderá ver a Praça Otakar II por uma vista privilegiada. Como diversos outros pontos de Ceske Budejovice, a Torre Negra também tem uma lenda só dela. Dizem que é um esqueleto, que apenas as crianças conseguem ver, quem toca o sino do alto da torre.

Igreja de São Nicolau

A Igreja de São Nicolau (Katedrála svatého Mikuláše) foi levantada onde, no século XIII, funcionava um templo em estilo gótico e que, em 1641, foi destruído por um incêndio. Em 1649, uma nova igreja foi construída, porém, dessa vez, em estilo barroco.

Igreja de São Nicolau e Torre Negra.

Igreja do Sacrifício de Nossa Senhora e a lenda do sapo

Construída entre 1265 e 1300 em cima de um cemitério, a Igreja do Sacrifício de Nossa Senhora (Kostel Obětování Panny Marie) é um marco gótico no bairro de Piarist e fica interligada a um antigo convento dominicano, cujo pátio possui estátuas feitas por Josef Dietrich. Além de ser conhecida por suas relíquias de enorme valor, a igreja também é lembrada por uma estátua que há em uma de suas paredes externas: um sapo de pedra.

Diz a lenda que, durante a construção da igreja, um sapo teria sido enterrado em uma de suas fundações. Desde então, todo ano esse sapo “escalaria” um pouco mais a parede da igreja e que, quando alcançar o teto, a igreja desabará e será o fim do mundo.

Casa do Sal 

Apesar de, atualmente, abrigar o Museu da Motocicleta, a Casa do Sol (Solnice) é muito mais visitada pela história da construção. Ao lado da Igreja do Sacrifício de Nossa Senhora, a inusitada fachada chama a atenção de qualquer transeunte. Construída em 1531, foi utilizada como armazém de armas, de pólvora e de sal.

Porém, o que sobressai do local são os três rostos “presos” na fachada. A lenda diz que seriam rostos de ladrões que, presos por terem roubado a igreja ao lado, acabaram enforcados.

Casa do Sal.

Torres

Além da Torre Negra, Ceske Budejovice possui outras famosas torres:

  • Torre Branca: Bílá věž foi levantada entre 1574-1589 para abrigar o relógio municipal.
  • Torre de Ferro: Železná panna fez parte de um castelo construído no século XIV. O nome da torre faz referência ao tempo em que serviu de prisão e que foi local de tortura.
  • Torre Rabenstein: aberta ao público, que poderá conferir uma exposição de armamentos, a Torre Rabenstein (Rabenštejnská věž) localiza-se na rua Panská, ao lado do canal Mlýnská stoka. Local de observação para proteger a cidade fortificada, provavelmente herdou o nome do dominicano Wolfgang Rabenstein.

Parque Stromovka

O maior parque de Ceske Budejovice é facilmente acessível por uma passarela que passa por cima de uma rodovia. Com 68 hectares, o parque Stromovka foi fundado no século XX. É um lugar bom para caminhar, correr, pedalar, andar de skate… Também seria lugar perfeito para um picnic, mas, ao tentar comer um lanchinho, as abelhas, que estão por toda a cidade, não me deixaram em paz. Tudo bem, era eu quem estava invadindo o cantinho delas.

Parque Stromovka.

Em tempo

Não sabia o que esperar de Ceske Budejovice. Cheguei sem nenhuma expectativa, mas fui cativada pelo silêncio da cidade repleta de mistérios, fachadas históricas sinistras e bem preservadas, o rio Vltava – sempre ele – que corta a cidade, o parque Sokolský – que fica ao lado do centro histórico e beira o rio Vltava, a piscina pública (precisa pagar para entrar), um enorme ginásio de patinação, o Budvar Arena

E, para os apaixonados por cerveja, Ceske Budejovice tem ainda mais uma atração. É a cidade da verdadeira cerveja Budweiser Budvar.

Durante o tempo em que passei lá, o ar misterioso de Ceske Budejovice ficou ainda mais completo com as tempestades que caíam no final das tardes. De um minuto para o outro, o céu ficava carregado e chuvas torrenciais encharcavam tudo… Mas, passado algum tempo, o cinza abria espaço para uma nova cor, um céu mais azul e raios de sol que dariam inveja a qualquer artista.

Tive  a sorte de, aguardando a tempestade passar em um restaurante, poder admirar um espetáculo de luzes, o renascer do azul do céu e um duplo arco-íris. Aquele foi um momento mágico, repleto de significado e que, de tão belo, percebi como seria um prejuízo se eu estivesse vendo aquela beleza solitariamente.

As luzes depois da tempestade.

Textos relacionados

Desvendando a misteriosa Praga

Praga: Cidade Velha, encantamento atual

Kafka e a viagem da metamorfose

Vox Populi

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*